Entrevista Gazeta do Povo _ Destaque das Garagens nos Projetos Imobiliários

No último domingo (04/10), foi publicada uma entrevista com o Arquiteto Ricardo Sigel, sócio-diretor da GaragePlan Parking Design, no caderno de imóveis do Jornal Gazeta do Povo.

Foram comentadas as algumas razões pelas quais os projetos de novos empreendimentos devem aportar uma maior preocupação voltada aos locais destinados ao armazenamento de veículos (estacionamentos e garagens). Mesma preocupação que também pode ser dada aos empreendimentos mais antigos que apresentem algum problema de falta de vagas ou de conforto para seus usuários.

Na entrevista, também foi dado o depoimento do engenheiro e sócio da Porto Camargo Engenharia, Rodrigo Linhares Porto. Foi comentando sobre algumas das benfeitorias que as contratações dos serviços especializados para este setor trouxeram para sete empreendimentos do grupo.

A GaragePlan, vem trabalhado em projetos voltados a estacionamentos, garagens, pátios de manobras e diversificados espaços destinados ao armazenamento e circulação de veículos em todo o território nacional. Campus Universitários, Hospitais, Industrias, condomínios comerciais e residenciais são alguns de tantos setores que podem demandar essa especialidade.

Acesse o link da Gazeta e veja a entrevista completa.

https://www.gazetadopovo.com.br/imoveis/garagens-ganham-destaque-nos-projetos-imobiliarios-13fywcay2h9ip7igftsqn7jss

Consulte nossa equipe para maiores esclarecimentos!

Zero vagas, zero negócios!!!

blog

É bastante comum encontrarmos pessoas que são repelidas de lugares que não possuem vagas disponíveis, onde o estacionamento é enclausurante, escuro ou até quando tem muitas vagas, mas neste caso, estão mal sinalizadas.

As frases mais ditas são:

..”nesse lugar não volto nunca mais”..

..”esse estacionamento é muito escuro”..

..”me sinto mal neste estacionamento”..

..“me perco todas as veze que entro lá”..”

Somos atraídos por várias experiências na hora de ir a um local para fazer compras, realizar consultas, passear e consumir. Estas sensações ocorrem inicialmente e necessariamente no momento em que acessamos os estacionamentos destes locais.

As boas ou más experiências ao entrar e sair, são as que ficam. Nós da GaragePlan nos preocupamos em solucionar isso da melhor forma e com os melhores custos-benefícios. Sabemos e não tiramos uma vírgula da importância dos espaços principais dos empreendimentos, mas sabemos também, que o local destinado à paixão dos brasileiros tem que receber a devida atenção e ser bem planejado.

 

GaragePlan Parking Design

Soluções em estacionamentos e garagens!!!

Como montar um estacionamento!?

 

ffff

 

Com milhares de veículos circulando todos os dias e vagas nas ruas ficando cada vez mais escassas, empreender no setor de estacionamentos parece atrativo. O número de carros nas ruas cresceu bastante nos últimos anos com os incentivos à indústria automobilística. De acordo com dados do Sindepark-SP, somente na cidade de São Paulo há pouco mais de 500 mil vagas em garagens e estacionamentos que atendem por mês 60 milhões de veículos. São Paulo é apenas o exemplo mais evidente de mercado. A mesma situação, em escalas menores, ocorre nas grandes e médias cidades do país.

Quando uma demanda forte como essa encontra um estabelecimento bem localizado, as chances de sucesso já aumentam significativamente. Uma boa localização é aquela que permite acesso fácil, com grande fluxo de pessoas e nas proximidades dos polos geradores de público: bancos, supermercados, shoppings, terminais de transporte público, aeroportos, faculdades e hospitais.

“O que o empreendedor tem que ter em mente desde o primeiro momento é que o estacionamento é um negócio dependente de outras atividades comerciais. Por isso, o estabelecimento deve estar localizado de maneira bem visível a quem passa pelo local”, diz o presidente do Sindepark, Marcelo Gait.

Justamente por conta dessa condição, os empreendedores devem estar atentos ao preço do aluguel praticados pelos imóveis na região. Segundo Gait, o aluguel pode comprometer até 50% do faturamento de uma empresa. Também é preciso verificar se a faixa de renda do público local é compatível com o serviço prestado. Além disso, é importante verificar se a demanda pelo uso do carro na região é contínua.

Uma vez observados todos esses detalhes, o novo empresário deve se preocupar com a qualidade de seu estabelecimento. Apólices de seguros contra furto, roubo, incêndio e acidentes devem ser acompanhados de um sistema eficiente de informações. Os clientes devem ser avisados das responsabilidades da empresa e os contatos dos estabelecimentos já no tíquete de entrada. A tabela de preços também deve estar disposta de uma maneira clara e visível para permitir uma escolha consciente por parte do motorista na hora de decidir onde parar o seu carro.

Uma pesquisa encomendada pelo Sindepark em 2015 constatou que mais de 86% dos usuários do serviço se preocupam em saber se o estacionamento tem seguro. “Este é um dado que mostra que os clientes estão preocupados com a qualidade do serviço prestado e com as responsabilidades do estabelecimento”, afirma Gait.

Um estacionamento que cumpre suas obrigações também deve ter vagas para idosos e deficientes, conforme prevê a legislação, além de profissionais capacitados, manobristas habilitados, treinados e identificados com crachá, regras que fazem grande diferença. As empresas sérias do setor de garagens e estacionamentos são responsáveis por quase 30 mil empregos diretos somente na capital paulistana.

Quem prefere sair de casa de carro e usar o serviço de um estacionamento pago o faz pela segurança e pela rapidez, diz a pesquisa encomendada pelo Sindepark e realizada pela Hora H Pesquisa. O estudo revelou, entre outras coisas, que mais de 99,71% dos usuários se sentem seguros ao deixar o carro num estacionamento. Entre os mensalistas, este número é de 100%.
Fonte: Sindepark

 

Como montar um estacionamento

Opções Inteligentes geradoras de conforto e energia

Estacionamentos são opções bastante interessantes para captar energia solar e, por isso, vêm ganhando popularidade em diversos países do mundo, incluindo o Brasil. No caso você pode, ao mesmo tempo gerar conforto para os veículos estacionados e energía para seu negócio.

Na ultima terça-feira (18), a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) inaugurou o maior estacionamento de geração de energia solar distribuída do país, ao custo de R$ 1,6 milhão.

O espaço, com capacidade para 65 carros, alocará 414 painéis solares fotovoltaicos capazes de gerar 140 mil kWh por ano.

Toda essa energia captada — suficiente para abastecer até 70 residências com consumo médio de 167 kWh por mês — alimentará a rede da concessionária Light para ser distribuida para a universidade.

Na sequência, a energia produzida será descontada nas faturas de luz do campus, seguindo a Resolução 482 da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Dessa forma, além de inserir na rede energia limpa e renovável, a iniciativa vai ajudar a reduzir o valor dos gastos na conta de luz.

Outra vantagem do projeto é o benefício ambiental. Com os painéis, aproximadamente 70 toneladas de dióxido de carbono (CO2) deixarão de ser emitidas por ano na atmosfera.

O projeto é fruto do programa de energia do Fundo Verde de Desenvolvimento e Energia para a Cidade Universitária da UFRJ, iniciativa que utiliza o recurso do imposto ICMS que é cobrado na conta de luz da universidade para implantar projetos sustentáveis por lá.

 

 

Este é o maior estacionamento solar do Brasil e fica na UFRJ

Consulte a GaragePlan para elaboração de estudos eficientes e que possam trazer beneficios ao seu negocio através dos estacionamentos e garagens!!

EDIFÍCIO GARAGEM, HISTÓRIA E FUTURO – GARAGEPLAN

 

O primeiro edifício de estacionamentos multi-pavimentos que se tem notícia data de 1920. Atribuído ao engenheiro estrutural francês Eugene Freyssinet. Muitos outros foram construídos no pós-guerra entre os anos de 1950 e 1975.Historicamente os edifícios garagem foram vítimas de desenhos pobres focados estritamente na economia construtiva. Muitas destas edificações tiveram sistemas de impermeabilização inadequados, iluminação insuficiente, falta de ventilação e outros problemas devidos a baixa consideração e criatividade de seus projetistas e proprietários.

A percepção da importância destas edificações vem mudando gradualmente pela compreensão de que o estacionamento é por muitas vezes a primeira e última impressão de um destino. Outra constatação é a do tamanho destas superfícies e ao mesmo tempo da necessidade de sua existência, podendo se tornar problemas para as cidades ou equipamentos atrativos. A ideia de que o edifício garagem é basicamente uma construção uni-utilitária está acabando. O desafio dos novos projetistas e gestores é trazer vida e usos diferenciados para estes espaços, promovendo uma interação maior com os usuários.

 

Torres de carros da Volkswagen em Wolfsburg – Alemanha
Torres de carros da Volkswagen em Wolfsburg – Alemanha

 

Obervando os sinais é possível imaginar as tendências. Os carros menos poluentes e menos ruidosos, naturalmente promoverão melhorias. A tecnologia, já existente em vários exemplos pelo mundo, de robotização ou de carros autônomos, promoverão outro tipo de interação com estes espaços. O desenvolvimento urbano exigirá destes edifícios a flexibilidade para outros usos futuros, sejam definitivos ou temporários. Soluções como os edifícios de estruturas metálicas aparafusadas desmontáveis ou com previsão modular que facilite o retrofit já são realidade. O nível de exigência do usuário é maior a cada dia, considerando o alto custo de estacionamentos, consequência da valorização do território das cidades. Por fim, mas não menos importante, a necessidade de construções sustentáveis que além de econômicas financeiramente sejam melhor aproveitadas e tenham baixo custo de manutenção.

 

 

Links interessantes:

https://garageplan.com.br/

https://garageplan.com.br/cases/

https://blog.garageplan.com.br/

https://www.archdaily.com/search/all?utf8=%E2%9C%93&q=parking

https://www.parking-net.com/

Plano da prefeitura de SP para construir garagens vai na contramão do bom senso

De nada adianta propormos soluções para as cidades, de um lado, se de outro estamos estrapolando limítes do bom senso!
Os Edifícios Garagem são necessários, mas somente quando estão situados de maneira estratégica, eficiente e flexível com o funcionamento da cidade como um todo!

——————————————————————————————————————

2f0b1120-1674-11e5-a0a6-05f0e4d49d43_5455323413_c54c286e26_z

Acaba de ser aprovado um projeto de lei na Câmara Municipal de São Paulo que concede, por até 30 anos prorrogáveis, terrenos públicos  da cidade para a criação de edifícios-garagem por empresas privadas. As áreas devem ser licitadas e as empresas que ganharem poderão construir e explorar comercialmente as garagens, além de usar as áreas para outras finalidades comerciais. O projeto está nas mãos do prefeito Haddad para sanção ou veto.

A argumentação que justifica o projeto fala do Plano Diretor da cidade, que indica a prioridade para o transporte coletivo e, portanto, a existência dos estacionamentos juntos a grandes terminais ferroviários, de metrô ou ônibus representariam um “represamento” dos carros nos terminais. O raciocínio é que, seus usuários deixariam seus carros estacionados ali e seguiriam viagem de transporte coletivo. Certo?

Não! Do jeito que foi aprovado o projeto de lei mais estimula do que restringe o uso do automóvel na cidade. Em primeiro lugar, não há no projeto qualquer menção aos locais aonde estes estacionamentos podem ou devem ser implantados. Resultado: eles poderão acontecer em qualquer lugar, sem ligação direta com um projeto mais articulado de circulação e transporte….

Além disto, vamos lembrar que, depois de muitas discussões, o Plano Diretor aprovou que nos chamados “Eixos de Transformação”, ao longo dos principais corredores de ônibus e em volta das estações de trem e metrô, os edifícios residenciais e mistos que forem construídos só poderão ter uma vaga de garagem por apartamento. Esta medida,  entre outras, teve como objetivo associar  a verticalização das áreas próximas aos eixos de transporte coletivo a presença de usuários destes mesmos meios, desestimulando, pelo menos ali,  a presença de automóveis. Ora, este projeto de lei “compensa” esta restrição, ao permitir que ao longo destes mesmos eixos sejam construídos edifícios-garagem, subvertendo a ideia de restrição da presença e uso do automóvel por moradores – e frequentadores – destes locais.

Podemos questionar ainda um dos elementos centrais da lei aprovada na Câmara : o uso de terrenos públicos para esta finalidade. Ora, frequentemente ouvimos as queixas da prefeitura quanto a inexistência de terrenos públicos para a construção de creches ou moradias, além de outras demandas dos cidadãos como parques, praças e outros equipamentos. Então, não temos áreas de propriedade da prefeitura para implementar projetos – para os quais inclusive existem os recursos e  obtenção de terrenos é o que tem emperrado sua realização – e vamos usar os terrenos que temos para fazer edifícios-garagem? Isto tem algum sentido?

Edifícios-garagem podem ser feitos na cidade, de acordo com a legislação. A proposta de  zoneamento que está tramitando na Câmara Municipal inclusive incentiva sua construção – por privados em terrenos de sua propriedade – em determinados perímetros específicos da cidade. Portanto a iniciativa privada pode construir, e, de acordo com a proposta de  zoneamento, se for aprovada,  ser estimulada a fazê-lo em locais estratégicos, previamente definidos no planejamento da cidade. Qual é a necessidade, portanto de usar terrenos públicos para esta finalidade?

O projeto de lei aprovado ainda tem alguns pontos bem obscuros – do tipo um parágrafo que diz que os terrenos “podem estar no máximo reunidos nos perímetros dos lotes da concessão do Sistema Estrutural de Transporte de Passageiros”. Ora, isto quer dizer que , agora que a prefeitura fará uma nova licitação do sistema de ônibus – inclusive dos terrenos públicos que hoje estão sendo utilizados como garagens pelas empresas que prestam o serviço – poderá incluir no pacote da concessionária a construção de, por exemplo, shopping centers a serem explorados por esta ou suas contratadas nestes terrenos? É isto que podemos interpretar, já que o PL permite que os edifícios garagem possam também ser explorados comercialmente com outras finalidades….

Enfim, por todas estas razões, me parece que o melhor que o prefeito tem a fazer neste momento é vetar este projeto!

Imagem: Flickr/Marcelo Braga

 

httpss://br.noticias.yahoo.com/blogs/habitat/plano-da-prefeitura-de-sp-para-construir-garagens-110957937.html

Nova lei aprovada em São Paulo surge para melhorar a mobilidade urbana

A cessão de áreas públicas para garagens e a ligação dos estacionamentos com o transporte coletivo era uma bandeira defendida pelo Sindepark
A Câmara Municipal de São Paulo aprovou no último dia 2 de junho o projeto de lei 312/2013, que autoriza a destinação de áreas públicas para a construção de estacionamentos e edifícios garagem. O projeto, que vem atender uma importante demanda da população paulistana, segue agora para a sanção do prefeito Fernando Haddad e busca a integração do transporte particular com o público, uma bandeira há muito tempo defendida pelo Sindicato das Empresas de Estacionamentos e Garagens do Estado de São Paulo (Sindepark – SP).
Entre as emendas recebidas pelo projeto pouco antes da aprovação, estão a que determinam que os edifícios-garagem devem estar conectados ao sistema de circulação pública coletiva, como os terminais de ônibus, trens e metrô. Essa medida visa o estímulo ao uso dos modais por parte da população. Outra emenda diz que as empresas concessionárias devem fazer melhorias na região onde vão construir e administrar os estacionamentos.
Segundo o presidente do Sindepark, Marcelo Gait, a integração dos transportes é de grande importância para a saúde da mobilidade urbana em São Paulo. “Para reduzir efetivamente os congestionamentos, a oferta de estacionamentos precisa ser planejada de maneira inteligente, com garagens construídas próximas a estações de trens, metrôs e terminais de ônibus com integração tarifária com o transporte público. Isso só ocorre por meio de parcerias público-privadas e muito estudo.”
No entanto, de acordo com o Gait, ainda são necessárias muitas mudanças por parte do poder público para que o transporte urbano seja satisfatório. O Sindepark defende que a nova lei de zoneamento da cidade permita a existência de estacionamentos nas ruas mais movimentadas de cada bairro, as chamas zonas corredor (ZCor). “De acordo com o projeto encaminhado à Câmara Municipal nas últimas semanas, essas regiões podem receber atividades comerciais. Por isso, é indispensável que também haja a previsão para estacionamentos nesta nova legislação”, diz Gait.
https://www.segs.com.br/veiculos/44819-nova-lei-aprovada-em-sao-paulo-surge-para-melhorar-a-mobilidade-urbana.html

Estacionamentos; um mau necessário ou uma solução contestada!?!?!?

carro-na-rua-Foto__Be1

Segundo números fornecidos pelo Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), o Brasil hoje possui um automóvel para cada quatro habitantes. Como consequência, cresce a nessecidade de que sejam criadas novas e diferentes intervenções para diminuir o impacto do trânsito nos grandes centros urbanos.

De um lado, existe a urgência da necessidade na melhoria da qualidade do transporte público, bem como o aumento das frotas de ônibus e de outros meios de transportes, para assim fazer com que a população prefira deixar de utilizar os automóveis.

De outro lado, existem variadas possibilidades para a criação de pequenas intervenções viárias, urbanísticas e até imobiliárias que seguramente trariam resultados positivos para as cidades.

Um dado importante e bastante desconhecido é que 30% do trânsito gerado nas grandes cidades é gerado por veículos que estão procurando vagas e/ou estacionando em vias públicas; estes espaços, por sua vez, poderiam estar auxiliando no escoamento das vias ou sendo disponibilizados para locais destinados a passeios, praças e calçadas para a circulação de pedestres.

Um exemplo do mau uso dos estacionamento em via pública foi comentado em uma reportagem do Jornal do Comércio de Recife, confira no link abaixo!!!

https://jconlineblogs.ne10.uol.com.br/deolhonotransito/2012/09/29/rua-nao-e-estacionamento-publico-ponto-final/

Está em contínua discussão, dentro de diversos grupos especializados no tema, a questão de se a criação de novos estacionamentos nos grandes centros realmente seria benéfica para nossas cidades. O fato é que a dura realidade do nosso país, na grande maioria das vezes não nos proporciona outras alternativas, senão o intenso uso do automóvel. Obviamente, em nenhum momento deve-se deixar de lado o incentivo à
melhoria do transporte público, mas nesta situação em que nos encontramos, faz-se necessário assumirmos alternativas para minimizar o impacto desse grande número de veículos nas ruas das cidades.

Ai entram as intervenções regulamentadoras no que diz respeito à restrições de circulação, intervenções urbanísticas e também arquitetônicas.

Se inserirmos um “negócio” estacionamento para 50 ou para 500 vagas no centro da cidade, teremos um mesmo impacto negativo para o trânsito, se antes não houver um estudo aprofundado de inumeros detalhes do entorno.

Um correto estudo de engenharia de tráfego aliado à acessos confortáveis para os empreendimentos e principalmente que estes sejam eficientes; uma distribuição de vagas bem organizada, fluxos compatibilizados e uma correta sinalização são apenas alguns pontos que devem ser levados em conta para que os estacionamentos, garagens e pátios de manobras sejam realmente funcionais.

A GaragePlan é especializada no que se refere a soluções de projetos e tecnologias inovadoras para locais destinados ao armazenamento e circulação de veículos dos mais variados portes.

GARAGEPLAN, TRANSFORMANDO SEU NEGÓCIO APÓS ACOMODAR SEU VEÍCULO!!!

No Parking, No Business

Parking_lot_at_HAA_Kobe_500kb

 

Texto

por Yumi Yamawaki

 

O título desse artigo resume a atenção que os empresários precisam dar ao assunto: sem estacionamento não há negócio.

Com a quantidade de veículos circulando nas áreas urbanas, cada vez mais se torna necessário eliminar faixas de estacionamento para liberar espaços para o fluxo. Por outro lado, estacionamentos privados muitas vezes não oferecem a comodidade, o conforto e a segurança que o proprietário do veículo espera.

Nesse sentido, o que antes era considerado como secundário em um projeto de arquitetura, atualmente pode impactar significativamente no êxito do empreendimento: o local para estacionar. Carros maiores e mais confortáveis e facilidades para manobrar, somados a introdução de novas tecnologias exigem estudos contínuos de formas de otimizar e dinamizar os estacionamentos. Portanto, o projeto de garagens precisa ser compreendido como uma especialidade que precisa estar integrada ao projeto desde a concepção do estudo preliminar de arquitetura, atuando diretamente no processo de compatibilização das disciplinas envolvidas, bem como a determinação dos eixos estruturais e contemplando o estudo de tráfego no entorno do empreendimento, a escolha dos acessos e reserva de áreas de acumulação, as entradas de carga e descarga e a circulação de pedestres. Internamente, é necessário prever simulações de manobras, iluminação e sinalização adequada, rampas e circulações otimizadas e uso de sistemas de monitoramento, operação e multiplicação das vagas.

O que se tem constatado é que os projetos de arquitetura têm se preocupado apenas com o atendimento à legislação municipal e às dimensões mínimas exigidas por esta, e que, por sua vez, não atendem ao bom funcionamento das garagens, podendo acarretar em prejuízos com a perda de vagas inviáveis ou desconfortáveis ao estacionar, assim como raios de curvatura e inclinações de rampas difíceis de percorrer. Preocupações estas, essenciais para evitar incômodos como à procura de locais para estacionar, danos e sinistros.

Portanto, tornar positiva a experiência do consumidor num empreendimento implica no cuidado com a primeira impressão que terá do local.

__________________________________________________________________________

YUMI YAMAWAKI é Doutora e Mestre em Gestão Urbana (PUC-PR) com especialização em Gestão Técnica do Meio Urbano Université de Technologie de Compiègne e Professora da UTFPR.

 

 

LANÇAMENTO REVISTA PORTAL PARKING

a última semana ocorreu em São Paulo a ExpoShopping realizada pela ABRASCE (Associação Brasileira de Shopping Centers), a maior feira do setor de shoppings da América Latina.

A GaragePlan, em parceria com o novo site para profissionais do ramo de estacionamentos “Portal Parking” (www.portalparking.com.br) oferece as melhores soluções para os locais destinados à veículos com uso de inteligência e tecnología.

Leia a 1ª edição da Revista Portal Parking!